O Cristo do Anticristo: uma resposta ao Anticristo de Nietzsche

  • Willibaldo Ruppenthal Neto Universidade Federal do Paraná

Resumo

RESUMO: Muitas foram as críticas ao Cristianismo ao longo da história, mas poucas tiveram a força e a repercussão que teve a obra do famoso filósofo alemão Friedrich Nietzsche, na qual se destaca seu famoso livro O Anticristo. Cabe, porém, pensarmos se sua crítica é válida, seja considerando-se seu contexto como também seus verdadeiros objetivos. Nietzsche deve ser pensado dentro de seu tempo e a partir daquilo que o influenciou – mesmo sendo um pensador distinto, permanece filho de seu tempo. Este artigo visa apresentar a crítica de Nietzsche dentro de seu contexto e indicar uma resposta a esta a partir do cristianismo.

ABSTRACT: Many were the critics regarding the Christianity throughout history, but just a few had the strength and the repercussion like the work of the famous German philosopher Friedrich Nietzsche, specially his book The Antichrist. Nevertheless, we may think if his critic was legitimate, considering his context and his true objectives. Nietzsche must be thinked inside his own context and by his own influences – even him, who is a distinct thinker, is a child of his time. This paper aims to show Nietzsche’s critic inside its own context and indicate an answer from the Christianity.

Biografia do Autor

Willibaldo Ruppenthal Neto, Universidade Federal do Paraná
Doutorando em História (UFPR). Professor da FABAPAR. Membro discente do NEMED/UFPR.

Referências

ADAM, Karl. Jesus Cristo. Trad. Henrique Elfes. São Paulo: Quadrante, 1986.

BERTAGNOLI, Afonso. Prefácio. In: SCHOPENHAUER, Arthur. O livre-arbítrio. Trad. Lohengrin de Oliveira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira; Saraiva, 2012. p. 17-22.

CAMPOS, Geir. O poeta Nietzsche. In: NIETZSCHE, Friedrich. Assim falava Zaratustra: livro para toda a gente e para ninguém. Trad. José Mendes de Souza. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2012b. (Saraiva de Bolso). p. 11-16.

CHAVES, Ernani; SENA, Allan Davy Santos. Nem gênio, nem herói: Nietzsche, Renan e a figura de Jesus. Rev. Fil., Aurora, Curitiba, v. 20, n. 27, p. 321-336, jul./dez. 2008.

CHESTERTON, Gilbert Keith. Ortodoxia. São Paulo: Mundo Cristão, 2008.

COLLINSON, Patrick. A Reforma. Trad. S. Duarte. Rio de Janeiro: Objetiva, 2006. (História Essencial).

COOMARASWAMY, Ananda K. O que é civilização. São Paulo: Siciliano, 1992.

COSTA, Paulo Sérgio de Jesus. Notas sobre Nietzsche e a religião: o tipo Jesus como Príncipe Míchkin. Ethica, Rio de Janeiro, v. 16, n. 2, p. 73-80, 2009.

DANIÉLOU, Jean. Sobre o mistério da história: a esfera e a cruz. Trad. Maria Laura Philbert. São Paulo: Herder, 1964.

DILTHEY, Wilhelm. A construção do mundo histórico nas ciências humanas. Trad. Marco Casanova. São Paulo: Editora UNESP, 2010. (Clássicos UNESP).

DOUKHAN, Abi. Review of Nietzsche and Levinas. Foucault Studies, No. 11, p. 206-209, fev. 2011.

ELIADE, Mircea. Imagens e símbolos: ensaios sobre o simbolismo mágico-religioso. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

______. Mito e realidade. 4 ed. São Paulo: Editora Perspectiva, 1994.

FREUD, Sigmund. Moisés e a religião monoteísta. Lisboa: Guimarães Editores, 1990.

GALIMBERTI, Umberto. Rastros do sagrado: o cristianismo e a dessacralização do sagrado. São Paulo: Paulus, 2003.

GRUDEM, Wayne. Teologia Sistemática. São Paulo: Vida Nova, 2009.

GUITTON, Jean. Jesus. Trad. Oscar Mendes. Belo Horizonte: Editora Itatiaia Limitada, 1960.

HAYEK, Friedrich August von. O caminho da servidão. 6 ed. São Paulo: Instituto von Mises Brasil, 2010.

JEREMIAS, Joachim. O sermão da montanha. 6 ed. São Paulo: Edições Paulinas, 1988.

JUNG, Carl Gustav. Interpretação psicológica do dogma da Trindade. Petrópolis: Vozes, 1979.

KREEFT, Peter. Jesus, o maior filósofo que já existiu. Trad. Lena Aranha. Rio de Janeiro: Thomas Nelson Brasil, 2009.

LECLERCQ, Jacques. O mistério do Deus-Homem. Trad. Emérico da Gama. São Paulo: Quadrante, 1997.

LÉONARD, André. Cristo e o nosso corpo. Trad. Henrique Elfes. São Paulo: Quadrante, 1994.

MALINA, Bruce J. O evangelho social de Jesus: o reino de Deus em perspectiva mediterrânea. São Paulo: Paulus, 2004.

MARÍAS, Julián. Introdução à Filosofia. Trad. Diva Ribeiro de Toledo Piza. São Paulo: Livraria Duas Cidades, 1960.

MORÃO, Artur. Advertência do tradutor. In: NIETZSCHE, Friedrich. Ecce homo: como se vem a ser o que se é. Trad. Artur Morão. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2011. (Saraiva de Bolso). p. 9-10.

NANCY, Jean-Luc & LACOUE-BARTHE, Philippe. O mito nazista. São Paulo: Editora Iluminuras Ltda, 2002.

NIETZSCHE, Friedrich. A genealogia da moral. Trad. Antonio Carlos Braga. 3 ed. São Paulo: Editora Escala, 2009.

______. Além do bem e do mal: prelúdio de uma filosofia do futuro. Trad. Mário Ferreira dos Santos. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012a. (Vozes de Bolso).

______. Assim falava Zaratustra: livro para toda a gente e para ninguém. Trad. José Mendes de Souza. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2012b. (Saraiva de Bolso).

______. Ecce homo: como se vem a ser o que se é. Trad. Artur Morão. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2011. (Saraiva de Bolso).

______. O Anticristo: ensaio de uma crítica do cristianismo. Trad. Pedro Delfim Pinto dos Santos. 7 ed. Lisboa: Guimarães Editora, 1988.

______. Obras Incompletas. Tradução e notas de Rubens Rodrigues Torres Filho. São Paulo: Nova Cultural, 1999.

PLATÃO. Diálogos (Eutífron, Apologia de Sócrates, Críton, Fédon). Coordenação editorial: Janice Florido. São Paulo: Nova Cultural, 2000. (Os Pensadores).

RATZINGER, Joseph. Jesus de Nazaré: primeira parte: do batismo no Jordão à transfiguração. Trad. José Jacinto Ferreira de Farias. São Paulo: Editorial Planeta do Brasil, 2007.

REALE, Giovanni. Corpo, alma e saúde: o conceito de homem de Homero a Platão. São Paulo: Paulus, 2002.

______. O saber dos antigos: terapia para os tempos atuais. 3 ed. São Paulo: Edições Loyola, 2011.

SANTOS, Mário Ferreira dos. Filosofia e história da cultura. Vol. II. São Paulo: Logos, 1962.

SARTRE, Jean-Paul. O existencialismo é um humanismo. Trad. João Batista Kreuch. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012. (Vozes de Bolso).

SCHOPENHAUER, Arthur. O livre-arbítrio. Trad. Lohengrin de Oliveira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira; Saraiva, 2012.

SCHUBERT, Kurt. Os partidos religiosos hebraicos do período neotestamentário. São Paulo: Edições Paulinas, 1979.

TILLICH, Paul. Amor, poder e justiça: análises ontológicas e aplicações éticas. São Paulo: Fonte Editorial, 2004.

TOLSTOY, Leo. The Kingdom of God is within you. Translated by Constance Garnett. Mineola, New York: Dover Publications, 2006.

TOMÁS DE KEMPIS. Imitação de Cristo: textos escolhidos. Trad. Emérico da Gama. 2 ed. São Paulo: Quadrante, 1995.

VON MISES, Ludwig. Theory and History: an interpretation of social and economic evolution. Auburn (Alabama): Ludwig von Mises Institute, 2007.

WINCKEL, Erna van de. Do inconsciente a Deus: ascese cristã e psicologia de C. G. Jung. Trad. Benôni Lemos. Revisão Andréa M. De C. Aguiar. São Paulo: Ed. Paulinas, 1985.

ZILLES, Urbano. Filosofia da Religião. 8 ed. São Paulo: Paulus, 2010. (Coleção Filosofia).

Publicado
2019-08-24